a c e b o o k
  • Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

workshops forcabe 543w por 1050H AutoNailArt

rollergames2017

As provas dos Rollger Games - Nanjing 2017, onde decorrerá o Campeonato do Mundo de Patinagem Artística, estão quase a começar. É já no dia 31 de agosto que patinadores de todo mundo, do escalão Júnior, entram em pista para a competição de Figuras Obrigatórias. Neste último dia do presente mês têm também início os Programas Curtos de Inline, terminando esta primeira fase a 2 de setembro, com a disciplina de Precisão (Grupos), decorrendo também a cerimónia de abertura destes World Roller Games. A Plurisports começa deste modo as suas previsões...

 

Figuras Obrigatórias

Apesar de a sua prática não ser tão popular, as provas de Figuras Obrigatórias ao nível de um mundial são sempre interessantes, mesmo em Juniores. Aqui, em Femininos, o título este ano não deve escapar à italiana Elena Donadeli. Campeã italiana, europeia e segunda no ano passado em Novara, atrás de Giselle Soler. A sua concorrência vem principalmente do velho continente, da antiga/ atual potência nesta disciplina a Alemanha. Eleonora Tissen venceu a Taça da Alemanha e a prata em Roana. Já possui alguma experiência e é uma das candidatas ao pódio, depois do sexto posto no mundial de 2016. A outra italiana, Rebecca Galleti, completa o grande trio candidato ao pódio. Tem vindo a obter resultados na linha das primeiras duas patinadoras. O bom desempenho no dia 31 será a palavra-chave. A argentina Catalina Dominguez, a alemã Annalena Schmid, e, claro, as americanas Gabriella Permatteo e Emma Gloudeman, que foram 6ª e 8ª, respetivamente, no ano passado, são outros nomes na luta por um fantástico resultado.

Na secção masculina, os mesmos países voltam a ter destaque. Aaron Wunder, da Alemanha, foi campeão da Europa no início do mês e é um dos favoritos ao título, ele que foi quinto em Novara, mas mais uma vez Itália coloca-se com o vice-campeão europeu e bronze na edição do ano transato, Alessio Gangi. O americano Ian Heersink já traz alguma bagagem do ano passado e vai até Nanjing lutar por um lugar do topo. Os argentinos, Ellián del Mastro e Martin Machetti, não têm tantos registos internacionais, mas vêm da atual potência internacional em Figuras Obrigatórias. Há ainda mais dois participantes, um alemão e outro americano, Daniel Domascke e Charles Hamblin, que deverão surgir nos principais lugares.

Em Seniores Femininos há poucos lugares no pódio para tanto talento das principais candidatas. A lista de favoritas é mesmo grande. Da Argentina vêm três grandes patinadoras, como Anabella Mendoz, atual bi-campeã mundial Sénior, Giselle Soler campeã mundial Júnior várias vezes e Elizabeth Soler, terceira em Novara 2016. São três nomes que num dia "Sim" para a Argentina e um bom quadro de juízes pode varrer as medalhas para o país sul-americano. Quem vai estragar a festa é a italiana Giada Cavataio, outra grande atleta em Figuras Obrigatórias. Ficou com a prata no Campeonato do Mundo de Novara e tem vindo a subir no seu resultado de ano para ano. Pode em Nanjing vencer a medalha de ouro. A alemã Lina Goncharenko ainda não teve um pódio mundial, mas tem estado sempre lá perto, bem como a sua compatriota Lena Baeur. Juliana Giraldo, da Colômbia, é outra atleta que tem registado uma subida nos seus resultados em mundiais nos últimos anos.

Markus Lell, vencedor em 2016 e de inúmeras medalhas internacionais, não estará presente e por isso, o caminho está aberto para o já campeão mundial Luis de Mattia, Argentina, e o italiana Marco Santucci, que se tem dedicado e com sucesos a Figuras Obrigatórias. A estes dois patinadores pela luta das medalhas deve-se juntar Tim Jendrick, também da Alemanha, vice-campeão mundial Júnior e atual vice-campeão europeu. O brasileiro Felipe Werle foi quarto nas últimas duas vezes e pode ter também aqui uma oportunidade única de subir ao pódio. Esteban Bojorge (ARG) e Javier Buitrago (COL) são outros dois patinadores que se têm destacado no top ten nos últimos anos. 

 

Inline

A disciplina de Inline é das mais imprevisíveis, devido ao seu distanciamento da Patinagem Livre "tradicional". Surgem ainda novos patinadores, que começam a surgir provenientes da Rússia, ou outros países, e podem mudar toda uma história. Assim, e para nos focarmos no escalão máximo, em Juniores Colin Motley está de volta à prova mundial e é o campeão em título. Na competição feminina, a italiana Chiara Censori, a americana Kaylee Brogan são nomes a ter em conta, mas o título pode ir para patinadoras da Rússia se continuarem a aposta feita em Novara.

Assim sendo, no escalão máximo, e já com nomes experientes, a alemã Claudia Pfeiffer pode querer levar para casa o ouro que lhe escapou no ano passado, para a ausente Natalie Motley, ou mesmo a francesa Serena Giraud. A Argentina aposta forte com dois nomes, Lucia Kindebaluc e Ivana Nouet, e a Itália apresenta a experiente Metka Kuk. Aqui surge a dúvida, novamente, se patinadoras de outros países poderão participar. Em Masculinos, Yi-Fan Chen e Carlos Urquia vão mais uma vez discutir a medalha de ouro. Antonio Panfili (ITA) desceu para quarto no Programa Longo de Novara e, sem dúvida, que é uma aposta italiana a mais um pódio. Joshua Rols também estará em Nanjing, o francês que viu este ano o seu país apostar numa prova internacional de Inline. O antigo campeão do mundo da Índia, Anup Kumar Yama, é outro favorito, bem como Chen Lee (TPE), bronze em 2016, se se confirmar a sua participação.

 

Precisão

Sem grandes surpresas as medalhas em Precisão ou vão para os Grupos italianos ou para os argentinos. Sincro Roller (ITA) venceram no ano passado, na ausência da Millenium Team, mas parece que o super grupo argentino está de volta ao grande palco dos mundiais. Estes são os dois grupos principais à medalha de ouro, onde os detalhes podem fazer toda a diferença. Os vice-campeões mundiais, também sul-americanos, Roller Dreams, também vão estar presentes para que a batalha seja mais renhida. Quem não tem tido sorte em mundiais é a Albinea Precision Team que foram em 2016 mais uma vez últimos, mas nesta época voltaram a vencer os nacionais de Itália e foram segundos nos europeus. Nunca sabemos o que contar deste grupo. Este país participa ainda com Monza Precision Team.

 

Onde acompanhar as competições?

A que horas patinam os atletas nacionais em Portugal?

Sílvia Almeida comenta os Roller Games - Nanjing 2017

Sponsored by:

workshops para rodapé Noticias ExtensãodeSobrancelha