a c e b o o k
  • Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

workshops forcabe 543w por 1050H AutoNailArt

rollergames2017

Amanhã é a vez da Patinagem Livre se estrear em Nanjing, com o Programa Curto de Juniores Masculinos, o qual será transmitido em livestream, como publicámos aqui. Por isso, é altura da nossa previsão para a disciplina de Patinagem Livre, a qual continua a ser a prova rainha dos mundiais, com um grande número de inscritos. Apesar de alguns favoritismos, há determinadas competições onde muita coisa pode acontecer. A seleção nacional presente aqui é bastante jovem, contudo com muito talento, entre super estreias e outros patinadores já mais experientes.

 

Juniores

Começando então com os Juniores Masculinos, o representante português é o patinador Daniel Moniz. Trata-se da sua grande estreia em palcos internacionais, ele que também se encontra no seu primeiro ano Júnior. Assim sendo tem a seu favor vários saltos triplos, uma grande força e numa competição que se adivinha aguerrida, Daniel terá que estar no seu máximo para um grande resultado. Claro que o seu nível é mais que suficiente para um top 10, no entanto não pode exagerar nos erros. Mais uma vez o favoritismo pertence aos italianos, com as estreias em mundiais de Vicenzo Sarnataro e Alessandro Liberatore, campeão e vice-campeão de Itália. Para além de estreantes têm participações tímidas em campeonatos e taças da Europa, ao contrário dos selecionados transalpinos de outros anos. Assim, devemos olhar para outro patinador europeu, o espanhol Eloi Pascual, que acabou de se tornar campeão do velho continente e pode ter aqui um estímulo para lutar pelas medalhas, sendo que os atletas do nosso país vizinho têm marcado presença em pódios mundiais constantemente, em relação a este escalão. O argentino Edgar Waterbor já nos presenteou com uma excelente evolução na Taça da Alemanha, onde foi segundo atrás de Vicenzo, e sem dúvida nenhuma que é uma das apostas da seleção sul-americana para mais uma medalha. É um atleta que tem muito potencial. O campeão do mundo, mas em Inline, Yi-Fan Chen tem também demonstrado uma boa evolução em Patinagem Livre, subindo na sua classificação mundial. Ter ainda em conta o colombiano Jairo Ortiz, terceiro na Taça da Alemanha deste ano.

Rebecca Tarlazzi... É este o grande nome que todos querem ver patinar em Nanjing. A já estrela internacional chega finalmente a um campeonato do mundo, em Patinagem Livre, já que possui o título em Pares Artísticos, pelo segundo ano consecutivo. Rebecca tem ganho tudo em que participa, chegando assim ao seu primeiro ano Júnior. O que dizer mais? É a clara favorita e nem precisa de ser perfeita! Mas o que queremos ver de uma estrela deste nível são novos saltos, novos triplos que têm ficado por mostrar. Não nos podemos esquecer que é simplesmente uma jovem, com muita pressão em cima de si e sabe perfeitamente o que todos esperam dela. Itália neste escalão tem mais uma grande patinadora, a qual no ano passado não conseguiu vencer. Micol Zangoli é de igual modo uma grande patinadora, que tem a infelicidade de competir com uma Tarlazzi, e desta vez será muito mais difícil o ouro. No entanto é obviamente uma candidata à medalha de prata, com quase a certeza que do pódio não sai. A espanhola Nádia Salvador, campeã europeia e espanhola, é mais uma atleta com um excelente nível, uma das patinadoras desta nova geração que completa salto difícieis. Depois de um bom europeu, merece terminar a época com uma medalha mundial, tendo todas as armas para tal. Pode ser a maior ameaça das italianas em Nanjing. Quem também pode desafiar as medalhas é a brasileira Burna Wurst e a argentina Azul Romagnoli, quarta e quinta em 2016. Contudo, com a evolução muito boa de Azul durante este ano, já venceu Bruna tanto na Taça da Alemanha como no Campeonato Sul-Americano. São mais duas grandes candidatas. A americana Ashley Clifford teve um resultado menos bom no ano passado, mas é um nome a ter em conta, um pouco à semelhança da colombiana Catalina Fajardo, que foi sétima, mas que se esperava um pouco mais. De Portugal, Beatriz Silva, salta para o escalão Júnior e tem na China a sua grande estreia mundial. Uma patinadora com um potencial técnico único, que não fica nada atrás das melhores patinadoras aqui presentes, é aliás daquelas atletas com duplo axel e triplos completos e pode ser a grande surpresa da prova, como asim o esperamos. Pode começar, depois de amanhã, um excelente trajeto a nível internacional!

 

Seniores

O escalão máximo é sempre algo a não perder e este ano os Roller Games reuném os melhores patinadores do mundo. Com 37 participantes será muito difícil figurar nas 10 primeiras para o Programa Longo, que é o objetivo da maioria das atletas presentes. Silvia Nemesio, a atual campeã, que surpreendeu com um nível técnico extraordinário no ano transato é mais uma vez a favorita ao ouro. Depois de vencer os nacionais, venceu também os World Games, destronando a espanhola Monica Gimeno, a grande rival. Estas duas Seniores possuem todos os triplos, combinações com estes triplos e são o perfeito exemplo do que a Patinagem Artística será futuramente. Se Silvia é uma patinadora mais consistente, Monica quando está nos seus dias pode ser imbatível, com esquemas muito elaborados. A que menos falhar será a grande vencedora. Letizia Ghiroldi é a outra italiana com potencial para o pódio, ela que foi quarta na sua estreia Sénior. Rafaela Freitas (BRA) foi a surpresa nos World Games, vencendo o bronze com duas provas muito boas. Realmente um duplo axel completo e coreografias atrativas e inovadoras podem fazer toda a diferença. Depois do 14º posto, Rafaela ambiciona, certamente, um lugar bem diferente. 

Mas há mais... Giselle Soler sobe, finalmente, ao escalão máximo, depois de várias medalhas em Juniores, mas nunca uma medalha de ouro. Não será este ano que irá ter, tem na verdade uma árdua trarefa com os problemas que apresenta na rotação dos seus saltos, mas no conjunto, Soler é uma patinadora com grande nível internacional, com uma presença forte e excelentes piões. Um top 5 é, sem dúvida, algo bastante alcançável para a irmã Soler mais nova, mas pode conseguir muito mais. Elizabeth foi sexta em Novara, mas para um resultado assim precisa de provas perfeitas. Quem não está esquecida na nossa previsão é a terceira italiana, Silvia Lamburschi, que em 2016 foi renegada para o europeu, e já não é a atleta com a força que foi. Contudo não pode ser negado o seu potencial técnico, o qual é superior à maioria das participantes. Não esquecer também das sul-americanas Francisca Cabrera Antoine e Nataly Otalora. Em relação às portguesas, Daniela Sardinha tem conseguido conquistar excelentes resultados internacionais, como o oitavo posto de 2016, ela que foi quinta após o Programa Curto. É perfeitamente alcançável o top ten para esta portuguesa, apenas tem que realizar um bom programa, e ter uma boa prestação como nos World Games, onde conquisto o quinto lugar. Madalena Serrão muito ao nível de Daniela, sobe ao escalão mais velho depois de um excelente resultado em Juniores. Com uma primeira prova como a de Novara, só a vamos ver nos últimos grupos durante o Programa Longo, mas não nos podemos esquecer que o nível e o número de patinadoras muito semelhantes é enorme.

Em Seniores Masculinos o campeonato do mundo é a altura para se ver o que de novo se faz a nível técnico pelos (quase) quatro cantos do mundo. O primeiro lugar é disputado, de ano para ano, por um grupo maior de candidatos, que se alarga ainda mais quanto às medalhas. Luca Lucaroni é o nome do atual rei da Patinagem Artística, ele que no ano passado obteve notas máximas em todas as suas provas, algo único. Este ano já enfrentou uma lesão, que o fez desistir dos nacionais e não esteve no seu máximo como já nos habituou nos World Games, os quais venceu na mesma. Os seus colegas italianos, com provas perfeitas, são as suas maiores ameaças, e Andrea Girotto como o vimos em Cali é praticamente imbatível, ele que não precisa de fazer muito para ganhar uma medalha, como também vimos em Novara. Alessandro Amadesi não tem sido o mesmo depois do título mundial, mas lá conseguiu ser selecionado para os Roller Games, depois da prata e do quarto posto, nas últimas edições. Mas que dizer de Pere Torrico, da Espanha? Venceu de forma fácil os europeus, mas em mundiais ainda não teve um lugar de destaque a nível Sénior. Parece estar mais confiante e com um potencial ténico cada vez mais forte, como se pode ver nos vídeos que partilha nas redes sociais, o que não é a mesma coisa de executar em competição. A nível artístico é alguém com uma personalidade em pista única. Ele pode ser a grande ameaça aos italianos... Aos três. Sergio Canales foi quarto há um ano e merecia uma medalha, sem dúvida. Este ano não esteve no seu máximo nos World Games, mas tem aqui a oportunidade para corrigir e mostrar todo o seu talento. É também matéria para uma medalha. O português Diogo Silva chega à elite Sénior, depois de uma medalha de bronze e dois quartos lugares, e tem todo o potencial de um top 5 mundial. Sendo novo e com pouca notoriedade no escalão máximo, precisa sim de mostrar tudo aquilo de que é capaz e criar aqui uma linha de resultados positivos para se poder manter entre estas verdadeiras "feras". Depois de passar para o Programa Longo entre os melhores, é continuar com um excelente desempenho. 

Os outros patinadores favoritos são John Burchfield (EUA), sexto no ano passado, e Pierre Meriel (FRA), que tem tido uma exclente época, sempre medalhado, na Taça da Alemanha, nos World Games onde surpreendeu com a prata, e no Campeonato da Europa. É um patinador que recentemente tem mostrado uma grande evolução, mas também é daqueles que deixa sempre algumas dúvidas na rotação dos seus saltos. O argentino Juan Francisco Sanchez foi outra surpresa em Wroclaw ao vencer o bronze e vem para Nanjing incorporado num excelente espírito competitivo da Argentina. Poderá fazer alguns estragos, mesmo não apresenta muitos saltos triplos. O espanhol Llorenç Caballero está de volta ao mais importante palco, depois do oitavo posto de Novara 2016.

 

Ver também...

Ordem de Saída de Patinagem Livre, Pares de Dança e Grupos Pequenos - Nanjing 2017

Previsão Solo Dance - Nanjing 2017

Previsão de Sílvia Almeida - Solo Dance

O que vamos poder ver em direto

Sponsored by:

workshops para rodapé Noticias PenteadosdeNoiva